Carregar o bebê deitado? | PortBaby

Carregar o bebê deitado?

Publicado: 26/11/2019

Pode até parecer senso comum de que deitado o bebê está confortável - mas está longe da realidade quando falamos de babywearing. Vem comigo saber os motivos para não carregar seu bebê deitado!

A primeira razão é a mais preocupante - e assustadora. Quando colocamos um bebê deitado no wrap ou sling de argolas, principalmente um recém nascido, há um risco alto de asfixia postural. Isso porque a traqueia do bebê ainda é muito molinha, e se ele encostar o queixo no próprio peito pode obstruir a passagem de ar. Ao contrário de um berço ou outra superfície plana ( até mesmo o braço, quando está no colo), o tecido do portabebê pode empurrar a cabeça do pequeno em direção ao peito - e a postura inadequada pode obstruir a passagem de ar. Melhor evitar esse risco desnecessário, certo?

Outra questão envolve a distribuição de peso e o alinhamento do bebê. O recomendado é que o bebê fique o mais na vertical possível, com seu peso bem equilibrado entre seus lados direito e esquerdo. Com um ajuste adequado, o bebê permanece com a coluna em C (arredondada), suas vértebras todas encaixadas e os joelhos mais altos que o bumbum, com as pernas em M. Assim ele permanece como se estivesse sentado, com seu peso bem distribuído no bumbum - sem pressionar pernas, joelhos, tornozelos ou mesmo a coluna. Assim ele pode permanecer sendo carregado por horas, de maneira ergonômica, confortável e segura!

Mas e a amamentação? Para quem prefere amamentar o bebê semi reclinado, é possível fazer isso mesmo no wrap ou sling de argolas. Apenas vale lembrar que, finalizando a mamada, é importante voltar o bebê para a posição vertical. Segurança em primeiro lugar!


.

.

.

Por Lilian Wiczneski

Oi! Meu nome é Lilian, sou jornalista por formação, mãe por vocação e assessora de babywearing por paixão.

Minha filha mais (Helena) nasceu em setembro de 2015, e foi com ela que descobri no wrap meu melhor amigo. Com a chegada do Felipe, em 2018, o carregar tornou-se uma necessidade diária: com ele posso dar o que meus dois filhos precisam (colo, proximidade, aconchego) enquanto tenho os braços livres para atender outras demandas - inclusive deles mesmos.

Hoje produzo conteúdo nas redes sociais da Amor de Colo (@amordecolo) e atuo como assessora e revendedora em Curitiba / PR.


Voltar